[ROLEPLAYERS] Corujão RPG na Geek House

Observados na fortaleza do sol

Mesa do Edu Vancsek

O goblin fugitivo parte em direção ao pântano e apesar do cair da noite, o grupo decide seguir em frente para não perderem o rastro. Os elfos guiam o humano e o dragonborn que não enxergam praticamente nada na escuridão e por entre juncos retorcidos e muita lama andam com dificuldade seguindo a pequena luz produzida pela tocha que a pequena criatura segura.
Após algumas horas andando, um elfo pendurado num galho de árvore cai e anda em direção ao grupo tentando saber como ele pode sair dali, o Dragonborn sem dar muita atenção passa por ele ainda procurando rastros do goblin e ao citá-lo o elfo diz que o viu passar e indica a direção. Convidado a ajudá-los, decide ir junto com todos e, seguindo o rastro do goblin, adentram ainda mais na parte fechada do pântano. Árvores longas e com folhagem densa agora bloqueiam boa parte da pouca iluminação que passava pelo nevoeiro e derrepente num passo, todos deslisam, afundam na terra molhada e escorregam por uma rampa pouco íngreme mas extensa e caem num fosso cheio de água parada e fétida.
Aparentemente estão em uma caverna e assim que se certificam que todos estão bem, começam a explorar o local. Não demoram a descobrir pilhas de ossos e armaduras de hobgoblins que estão infestadas de serpentes, alguns dos esqueletos que ainda se encontram inteiros, levantam-se ao sentirem a presença deles nas salas e partem para atacá-los.
Hobgoblins zumbis se empilham colocados em barris na sala do que antes era um depósito e armadilhas assustam e quase tiram a vida do grupo que tenta encontrar a saída do local.
Uma sensação de que estão sendo observados incomoda a todos por todos os cantos que andam, uma voz gutural na cabeça de todos diz que eles não vão sair com vida dali e não vão embora com o que vieram encontrar. Muito sangue seco cobre o chão e as paredes e vez ou outra, relances do passado aparecem em frente aos seus olhos por alguns segundos mostrando uma fortaleza organizada, bem guardada e entre os hobgoblins bem armados, Sylvana Silvermoon sendo carregada pelos monstros e gritando por socorro.
Os aventureiros buscam ainda a saída do local e ao chegarem num grande salão com uma escadaria que dá para fora percebem pelas pilastras e anotações que devem estar na Fortaleza do Sol, é então que ouvem um grito e correm para ver de onde vem. Numa velha cela, encontram Sylvana presa e fraca. Derrubam a porta e saem com ela correndo para as escadarias que, no salão principal, provavelmente os levariam para fora.
Muita névoa se acumula nas salas e agora cada vez mais densas, no meio da fumaça cinza, olhos começam a aparecer, uma lingua de um metro se mostra lambendo o ar para depois um olho grande, em meio aos outros, aparecer fitando a todos vontade de matá-los.
A luta é dura e árdua, a criatura escamosa que flutua no meio do salão solta raios pelos ollhos menores que amedrontam e paralisam os aventureiros, as magias do mago são lançadas de volta contra ele mas vencendo o medo, Sylvana, Zui e o novo membro do grupo, conseguem desferir golpes potentes no Beholder. Zui, o monje, se arrisca e pula na aberração, se pendurando em um dos tentáculos e canalizando sua energia em apenas um punho, trespassa o grande olho com dois socos poderosos levando a criatura ao chão.
Tudo começa a desmoronar após o Beholder cair nas pilastras do salão e fugindo para a única saída possível, entram na névoa exterior. São arremetidos por uma forte ventania e como se estivessem sendo levados sem direção, caem em meio à uma floresta. Ainda é de noite, ouvem os pequenos barulhos dos animais noturnos e sem saber onde estão, decidem descansar para restabelecer as energias antes de prosseguirem.

Comments

Vancsek

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.